Notícias Modelo

Comunicado de imprensa

ZEISS aceleramento de imagens de raio-X em nanoescala por um fator de dez

ZEISS aceleramento de imagens de raio-X em nanoescala por um fator de dez

O novo microscópio de raio-X ZEISS Xradia 810 Ultra estende o alcance e valor das imagens 3D para a ciência e a indústria.

JENA/Alemanha, PLEASANTON/Califórnia/EUA, 5 de Agosto de 2013

A ZEISS apresenta uma nova solução de microscopia de raio-X (XRM), que aumenta o rendimento para imagens tridimensionais em nanoescala até 10 vezes mais. Utilizando uma série de inovações técnicas para obter o melhor contraste, e com isso melhor obtenção, o novo ZEISS Xradia 810 Ultra revoluciona o modelo de imagens de raio-X em pesquisas científicas e industriais ao redor do mundo. Apresentado na conferência 2013 Microscopy and Microanalysis, em Indianapolis, o sistema microscópico já está disponível para pedidos.

O Xradia 810 Ultra opera a 5,4 keV, uma energia de raio-X menor, que entrega melhor contraste e qualidade de imagem para diversos materiais. O contraste é melhorado significativamente quando esses raios-X de baixa energia são absorvidos com maior intensidade, permitindo que as tomografias de alta qualidade sejam concluídas em tempos muito reduzidos de imagens. A unidade de negócios da ZEISS de Microscopia de Raio-X construiu o Xradia 810 Ultra em torno dessa nova fonte de energia, utilizando óticas inovadoras para estender as capacidades da família Xradia Ultra, as únicas soluções laboratoriais de imagens, não-destrutivas, para obter resoluções de até 50 nanômetros.

Ao utilizar imagens de raio-X de nanoescala laboratoriais para uma magnitude mais rápida, o Xradia 810 Ultra aprimora o negócio para XRM, nas ciências e na indústria:
Em estudos de viabilidade de óleo e gás, as medições utilizadas em físicas digitais de rochas para caracterizar os parâmetros, como porosidade e tortuosidade, agora podem ser conduzidos em poucas horas. O contraste superior entregue pelo Xradia 810 Ultra aprimora as imagens de rocha carbonática, assim como do xisto.
Os estudos 4D e no local, onde a estrutura interna é registada repetidamente com o tempo e sobre diversas condições, agora podem ser realizados em uma fração desse tempo, tornando esses experimentos mais acessíveis a um maior número de pesquisadores. Comparado com os métodos de seccionamento físico, a aproximação XRM não-destrutiva agora pode apresentar uma vantagem de tempo para volumes similares, quando comparada com técnicas de seção serial (porção e visualização).
O maior contraste de absorção em 5,4 KeV, além do contraste de fase Zernike, torna viáveis as imagens de raio-X de alta-resolução para uma variedade de baixo Z e bio-materiais, como polímeros e amostras de tecidos.

Em laboratórios centrais de microscopia, onde os pesquisadores utilizam sistemas XRM, o custo por amostra para usuários cadastrados é reduzido, o que irá expor essa tecnologia única a uma base mais ampla de pesquisadores.

“Como pioneiros das imagens de raio-X de nanoescala em sincrotrones e em pesquisas laboratoriais proeminentes ao redor do mundo, o próximo passo lógico foi aprimorar o XRM para os desafiadores materiais que os nossos clientes estão focados hoje em dia e no futuro,” diz Dr. Kevin Fahey, Cientista Chefe de Materiais na Carl Zeiss X-ray Microscopy, Inc. “Com o estudo dos materiais Z médios e baixos, um foco importante em todo o mundo das pesquisas, o Xradia 810 Ultra torna mais custo-eficiente e eficiente para a imagem com uma variedade de polímeros, óxidos, compósitos, algumas células de combustível e outros materiais de interesse.”

Junto com a resolução em nanoescala, o Xradia 810 Ultra influência a absorção e o contraste de fase Zernike, e as óticas avançadas adaptadas para o sincrotron, para entregar uma resolução e um contraste líderes da indústria. O sistema adia a filosofia ZEISS de soluções atuais inovadoras e de alta potência, que estendem os limites da exploração para permitir uma pesquisa inigualável em laboratórios ao redor do mundo.