Back To Top
How they are produced?

Produtos ZEISS

Worth looking through: ZEISS Spectacle Lenses, Coatings & Diagnostic Instruments

mais

Entre em contato

Você tem interesse em fazer uma parceria com a ZEISS?

Tem alguma dúvida?

Tópicos

  • DuraVision Platinum
  • Lentes para escritório ZEISS
  • Lentes progressivas ZEISS
  • i.Scription
  • Lentes visão simples ZEISS
  • Tratamentos

Como são produzidos?

Como são produzidos?

Sino de vidro de quartzo e calota da instalação de revestimento B12/IV

Hoje em dia, todos os revestimentos antirreflexo são aplicados utilizando instalações de deposição a vácuo. A caixa da instalação é conhecida como sino e o suporte das lentes montado embaixo dela é conhecido como calota. São colocadas até 130 lentes na calota, dependendo do tamanho da unidade de revestimento e do diâmetro das lentes. Uma vez que apenas um dos lados da lente é revestido em cada processo de revestimento, as lentes devem ser viradas para o revestimento da segunda superfície.

Após as lentes estarem opticamente acabadas de ambos os lados, elas são limpas como preparação do processo de revestimento antirreflexo. Elas passam por vários banhos de limpeza contendo diferentes soluções de limpeza e também por um banho ultrassônico. Até mesmo as menores partículas de sujeira na superfície da lente poderiam prejudicar a qualidade do revestimento


Como são produzidos

Limpeza das lentes antes da aplicação do revestimento

O material de revestimento vem na forma de pastilhas ou granulados e é colocado em cadinhos de cerâmica ou cadinhos metálicos resfriados à água. Durante o processo de revestimento, pequenas quantidades do material de revestimento são aquecidas com a ajuda de elétrons acelerados. Isto faz com que o material passe do estado sólido para o estado gasoso. As moléculas de gás deixam a superfície do material de revestimento a uma velocidade de aproximadamente 100 m/s e são depositadas na lente. Durante o processo de deposição a vácuo, a espessura da camada de revestimento é constantemente verificada através de complexas técnicas de medição.

Para assegurar que o revestimento antirreflexo tenha a força de adesão e a resistência à abrasão necessárias, as lentes minerais são revestidas em um estado quente, de modo que as lentes são aquecidas até aproximadamente 250 °C durante o processo de deposição.

Este tratamento térmico não é possível para as lentes orgânicas. As lentes orgânicas normalmente não podem ser aquecidas a temperaturas acima de 80 °C, uma vez que a estabilidade dimensional delas (ou seja, suas propriedades ópticas) seriam prejudicadas. Para revestimentos antirreflexo em lentes orgânicas, é por isso necessário usar materiais de revestimento com boa força de adesão sem a necessidade de um processo de temperamento.

Revestimentos antirreflexo - a nossa história

Instalação de revestimento B12/V da ZEISS

Revestimentos antirreflexo - a nossa história

A técnica para a produção de revestimentos antirreflexo nas lentes que forma a base para os procedimentos usados hoje em dia foi patenteado pela Carl Zeiss em 1936. Entretanto, foi somente duas décadas depois que se tornou possível a produção em série de revestimentos antirreflexo para lentes oftálmicas. Até então, os revestimentos antirreflexo eram usados basicamente em binóculos. Em 1959, a Carl Zeiss foi o primeiro fabricante a oferecer revestimentos antirreflexo para lentes minerais de óculos.

 

Este website usa cookies. Cookies são pequenos arquivos de texto criados pelos websites e armazenados em seu computador. O uso de cookies é uma prática comum que permite melhorar o desempenho e a visualização dos sites. Ao navegar em nossos sites você está concordando com o seu uso. mais

OK